ACORDO PARA PRESERVAR A MEMÓRIA E A VERDADE EM BARRA MANSA


ACORDO PARA PRESERVAR A MEMÓRIA E A VERDADE EM BARRA MANSA

Edir Alves de Souza, torturado no quartel, reconheceu o local em que foi seviciado durante diligência da CNV.


Foto: Fabrício Faria / ASCOM – CNV

O MPF restabeleceu a validade dos compromissos do Termo de Acordo de Cooperação sobre violações de direitos humanos cometidas pelo regime militar no antigo 1º Batalhão de Infantaria Blindada, em Barra Mansa, (RJ). O acordo havia sido cancelado pelo MPF em Volta Redonda, mas o Núcleo de Direitos do Cidadão da 2ª Região reapreciou o caso e manteve o TAC em vigor.

O acordo foi firmado com a Prefeitura de Barra Mansa, dona do prédio do Batalhão desde 2006, baseado no relatório da Comissão da Verdade de Volta Redonda sobre a tortura de 15 soldados no local em dezembro de 1971. Quatro das vítimas morreram e seus corpos foram ocultados. O acordo busca a preservação do caso, cuja divulgação foi censurada na época.

Principais ações





...
10/10/2005
DIREITO RESPEITADO

...
28/06/2006
POSITIVO

...
10/09/2006
MEMÓRIA


...
25/05/2007
POSICIONAMENTO

...
01/04/2008
NOVA EXUMAÇÃO

...
14/05/2008
DOI-CODI SP

...
27/08/2008
DNA



...
27/11/2009
OSSADAS ABANDONADAS

...
27/05/2010
VILA FORMOSA




...
12/12/2011
DIGNIDADE


...
05/02/2014
DIREITO À MEMÓRIA



...
12/02/2015
ACERVOS DA CSN




...
19/12/2017
MEMORIAL DA ANISTIA





16/07/2018
BUSCAS NO ARAGUAIA

...