ASSASSINADOS NO TOCANTINS


ASSASSINADOS NO TOCANTINS

De cima para baixo e da esquerda para direita: Ruy Berbert, Boanerges Massa, Arno Preis e Jeová Gomes.


Fotos: reprodução do relatório da CNV

O Ministério Público Federal no Tocantins propôs ação civil pública em face de Lício Augusto Ribeiro Maciel e da União pela prisão ilícita, tortura e homicídio dos dissidentes políticos Jeová Assis Gomes, Ruy Carlos Vieira Berbert, Boanerges de Souza Massa e Arno Preiss, todos assassinados em ações da repressão política em diferentes municípios do Estado.  Os restos mortais das quatro vítimas, que integravam o Molipo (Movimento de Libertação Popular) estão desaparecidos. Na ação, o MPF requereu que Lício Maciel tenha sua responsabilidade civil como autor e partícipe da prisão ilegal e morte de Arno Preiss e Jeová Assis Gomes declarada. A ação pede que Maciel seja condenado a suportar solidariamente com a União indenização paga à família de Arno Preiss.

Os crimes ocorreram nas cidades de Guaraí, Natividade, Pindorama e Paraíso do Tocantins e o MPF defende que sejam erguidos memoriais nessas cidades ou sejam homenageados todos os desaparecidos na capital do Estado.

Ação Civil Pública nº 0007792-21.2012.4.01.4300

Veja a íntegra da inicial

Principais ações





...
10/10/2005
DIREITO RESPEITADO

...
28/06/2006
POSITIVO

...
10/09/2006
MEMÓRIA


...
25/05/2007
POSICIONAMENTO

...
01/04/2008
NOVA EXUMAÇÃO

...
14/05/2008
DOI-CODI SP

...
27/08/2008
DNA



...
27/11/2009
OSSADAS ABANDONADAS

...
27/05/2010
VILA FORMOSA




...
12/12/2011
DIGNIDADE

...

...
05/02/2014
DIREITO À MEMÓRIA



...
12/02/2015
ACERVOS DA CSN




...
19/12/2017
MEMORIAL DA ANISTIA





16/07/2018
BUSCAS NO ARAGUAIA